sábado, 21 de novembro de 2009

meu jeito intenso de ser...



voce precisa sentir menos
se envolver menos
saltar menos
se entregar menos
se distanciar da vida dos outros
parar de sentir a dor dos outros
parar de se culpar pelas "burrices" que os outros fazem
parar de viver e morrer pelos outros...

o que acabei de descrever sou eu
intensa!
alguem já falou isso com voce?
voce é intensa demais!

no começo parece uma coisa boa
como ser perfeccionista
mas quando voce começa a entender direito
vê que é justamente o contrário...

intensa e perfeccionista
tô ferrada...

e hoje para dar uma pitada a mais
estou saudosista e chorosa...

sonhei com um menino que eu amava muito!
alegre, feliz, falante, debochado, tao lindo...

cheio de sonhos
começando a descobrir como aproveitar a vida andando com as próprias pernas...

hoje ele me visitou nos meus sonhos
do mesmo jeitinho moleque e cativante
com um sorriso no canto da boca
e o olhar meio de banda
um autêntico adolescente


meu querido
como o tempo voa
14 anos já se passaram
e voce continua tao vivo dentro dos nossos coraçoes...

meu "sobrinho atleticano"
obrigada por ter me ensinado coisas boas
me perdoe as chatices, tolices e arrogância
que bom que voce me deixou fazer parte da sua vida!


fiquei fazendo as contas e este ano voce faria 30 anos!
a mesma idade que eu tinha quando voce nos deixou...

continuando as minhas buscas no fundo do baú
achei dois bilhetinhos que voce me deu no meu niver
cheio de elogios, desenhos e carinho


ai ai viu...
ai ai...

me lembro como se fosse hoje
o telefone tocando quase na hora do almoço
e a Lu gritando:
- o Tal morreu! o Tal morreu...
- que brincadeira sem graça Lu! pára com isso!

mas ela continuou insistindo...
e infelizmente a "brincadeira" era real...

como assim?
porque?
porque? p o r q u e?

além de pensar que era tudo um pesadelo
a única coisa que vem na cabeça é PORQUE?

me lembro da gente subindo pro Vale do Sol
e depois indo pra Lagoa dos Ingleses
com uma esperança enorme de ainda encontrá-lo com vida...

a busca dos bombeiros no fundo da lagoa
a volta pra casa
o rabecao subindo a BR
o IML
o reconhecimento do corpo
as providências para o funeral
a escolha do caixao e das flores
eu escolhendo a roupa que ele iria usar pela última vez
a camisa social junto com a do Galo
o boné do Galo em suas mãos
sais minerais como dói até hoje...

porque eu escrevi tudo isso?
porque o meu copo nao para de transbordar
e essas lembranças reais e intensas
estao todas latejando na minha cabeça
e um medo gigante vem me assombrar
um pavor de pensar que isso pode acontecer com mais pessoas que eu amo...

vivo em estado de alerta
com medo de perder as pessoas que eu amo
e de me sentir culpada por isso


você já perdeu alguem?
se perdeu e ela continua viva nesta vida
entao nao perdeu
porque voce pode encontrá-la novamente
mas se ela partiu desta para melhor
aí sim voce consegue me entender...

agora os encontros nao dependem mais de mim ou de voce
serão
quando muito
em sonhos ou pesadelos
em pensamentos que você ao longo dos anos colocará em xeque
sem saber direito se foram reais ou só estao na sua imaginaçao...

aqui chorei pelo Tal
mas infelizmente a minha lista de perdas é grande demais
e tenho que continuar aprendendo a viver assim...

estou tentando aprender que a vida é cruel
- mas é boa -
desde que eu era criança
pois essas perdas começaram nesta época
e já estou chegando na terceira idade
e ainda nao consegui assimilar direito essa liçao...

o meu sonho era colocar todas as pessoas que eu amo
num mundo onde elas estariam protegidas da morte e das perdas
que mesmo de longe eu poderia encontrá-las sempre que a saudade batesse...

depois de tudo isso
me diga por favor
como eu faço para deixar de ser intensa?
deixar de sentir?
de me preocupar...
"soltar" as pessoas que eu amo nesse mundao de meu Deus?
como?
como...

como encontrar o equilíbrio?
ele para mim parece inatingível de tao distante...
entre sentir tudo e sentir nada
dá pra ver qual é a minha escolha
e a dificuldade que estou tendo em desmanchar e marcar outra opçao...


ai ai...
fico por aqui
deixando uma música do Paulinho Pedra Azul que cantamos na missa do Tal

JARDIM DA FANTASIA

Bem te vi, bem te vi
andar por um jardim em flor
chamando os bichos de amor
tua boca pingava mel

Bem te quis, bem te quis
e ainda quero muito mais
maior que a imensidao da paz
e bem maior que o sol

Onde estás?
voei por este céu azul
andei estradas do além
onde estará meu bem

Onde estás?
nas nuvens ou na insensatez
me beije só mais uma vez
depois volte pra lá

...


2 comentários:

Beatriz disse...

Ai, ai, ai... Mai um choro!!!
Acho que estou entrando nas sua perdas de ponta cabeça. Espero que valha para melhorar a sua "intensidade". Ser intensa não é ruim. O ruim é não saber dosar a intensidade.
Obrigada por me lembrar do Tal que estava adormecido em algum lugar da minha memória. Rezei uma ave-maria por ele e todos os seus. Um beijo intenso de carinho para você. Beatriz

claudia disse...

minha querida, obrigada!
nao sei porque mas a maneira que estou conseguindo derrotar esse "cao negro" e me resolver é chorando tudo que nao chorei e tudo que ficou nublado na minha memória. espero que o copo já esteja parando de transbordar e que as lágrimas virem sorrisos de alegria e diversao. por coincidencia passei na frente do Vale do Sol hoje, apesar de tudo diferente, nao esteve tao igual...
um beijo e obrigada
claudinha