terça-feira, 13 de julho de 2010

metralhadora de idéias




















lindo céu azul nas geraes

geralmente sou assim
tic tac tic tac tic tac tic tic tic tac tic tac tac tac tic...
completamente acelerada
sem freio
apressada
e definitivamente não sei esperar
ainda mais se for o tempo

meus pensamentos
sentimentos
palavras
todos se misturam numa luta

ou seria corrida?

para ver quem ganha
chega primeiro

ou será dá a largada?

do meu corpo
da minha boca
da minha alma
e dos meus dedos no teclado

tentando desacelerar o tic tac
o dia já começou num diálogo verdadeiro
que andou revirando a caixa de pandora
a respiração ficou lenta
os pensamentos voaram longe...
calmos
cheios de realidade
mas completamente irreais
e na nossa loucura saudável
tudo caminhava bem
até aparecer a figura que mais amei na vida
que foi papai
aí num piscar de olhos
me emocionei
lubrifiquei meus olhos
numa saudade sem fim
que com certeza levarei para sempre...

cheguei aqui em stand by
e foi só falar em horas
relógio
tempo
que já me acelerei
exercício interessante de fazer
mas deve ficar perfeito
quando eu conseguir controlá-lo
e não o contrário















brincar de mudar de "humor"
sentir essa transformação
ver a alegria e a tristeza
percorrendo um caminho de ida e volta
uma ponte
não não
está mais para túnel
pois quando estou nessa passagem
nunca sei o que vou encontrar no fim
pode ser uma luz
a escuridão
ou um trem bala
que já chega me jogando longe
e só não me mata
porque ainda consigo controlar
pelo menos um pouquinho
os meus pensamentos férteis

o próximo passo
é este
conseguir diferenciar o real e o imaginário
muitas vezes tenho que beliscar meu cérebro
para saber em qual dos mundos estou vivendo
ainda estou aprendendo a me auto-avaliar
mas confesso
que quando o transe é muito intenso
e começo a viver num estado sonâmbulo
necessito de uma Ana Maria Braga
para gritar:

- ACORDA MENINA!

















e foi assim:

você parece uma metralhadora de idéias
sai atirando para todos os lados
e quem está te ouvindo fica perdido
tentando te acompanhar
sem saber o que falar
e o que pensar
foi mais ou menos isso
que ouvi hoje

é... realmente sou assim
o meu jeito Claudia Oliveira de ser
tem essa técnica muito bem desenvolvida
e sabe usá-la como ninguém
poderia ter sido uma excelente advogada
como Ally Mcbeal
aquela que desconcerta até o juiz
de tão lunática e imprevisível que é















quando o espírito metralhadora baixa em mim
confesso que não consigo me controlar
e geralmente esse embate só termina
quando o outro abandona a luta
ou eu levo uma traulitada muito grande

antes não percebia nada disso
hoje já consigo analisar
achar graça
debochar
rir do meu jeito desorientado de ser
fico me perguntando se quero mudar isso
mas por enquanto
a resposta é não
ainda não
quem sabe quando voltar da Índia
eu consiga domar esse lado selvagem
e voltar zen...
centrada...
equilibrada...
serena...

mas enquanto meu passaport não tem este carimbo vou
"vivendo e aprendendo a jogar
nem sempre ganhando
nem sempre perdendo
mas aprendendo a jogar
"

esta música realmente é o meu hino!

bondoso Deus
o Senhor está aí?
só estou checando
caso precise de uma ajudinha a mais! :)



...

4 comentários:

Fabis disse...

Hehehehe... Eu vi a foto! Acho bem legal essa troca de informações que a intenet nos proporciona.
Bom, sempre que desejar, seja bem-vinda ao meu blog.
Abraços.

Claudia Pompeu disse...

recebi este email hoje e simplesmente não conseguiria uma definição mais clara e real...

“Há um tipo especial de exultação, de dor, solidão e pavor envolvidos no transtorno bipolar. Quando se está para cima é fantástico. As idéias e sentimentos são velozes e freqüentes como estrelas cadentes e você os segue até encontrar uma melhor e mais brilhante. As palavras e os gestos certos aparecem. Descobrem-se interesses em pessoas desinteressantes. Energia, poder, bem-estar e euforia estão impregnadas na nossa medula.

Mas, em algum momento, tudo muda.

As idéias velozes ficam velozes demais e surgem em excesso. Uma confusão arrasadora toma o lugar da clareza. O humor é substituído pelo medo e tudo que corria bem agora te irrita. Você fica zangada, incontrolável e totalmente emaranhada na caverna mais sinistra da sua mente. Você nem sabia que essas cavernas existiam.

Finalmente tudo passa e restam somente as lembranças que os outros tem do seu comportamento absurdo, frenético e desnorteado. E então sobram aqueles sentimentos incríveis pra você desembaralhar: O que foi que eu fiz? Por quê? E o que mais atormenta, quando isso vai acontecer de novo? Qual dos meus eus sou eu? O selvagem impulsivo caótico ou o Tímido cansado desesperado?

De preferência que meu eu não pertença a nenhum dos dois e que fique somente um pouco de cada lado.”

Uma mente Inquieta
Kay Redfield Jamison

SMM disse...

Muito legal teu blog ! Vc escreve super bem . Se quiser passa lá em casa http://sindromemm.blogspot.com

Marlon disse...

Frenético... mas praquê a pressa? o agora é eterno... =)