domingo, 20 de junho de 2010

entre o céu e o inferno...


















dia de sol nas geraes

a falta de sono continua por aqui
e isso é completamente desgastante
fiquei corujando até altas horas da madrugada...

ontem o dia foi estranho
na minha via-sacra matinal pela internet
descobri que o Tico Santa Cruz saiu do twitter
como assim?
a vontade era ligar pra ele e dizer:
- cara, você não tem esse direito! rs

ele era um ser pensante dentro daquele que perdeu a graça
revoltado
questionador
falador de abobrinhas
mas de coisas sérias também
como política e religião

a sensação que eu tive
é que as pessoas como eu
que conseguem se expor
falar
esbravejar
sentir
e questionar
não sobrevivem
que triste
pois ninguém quer ouvir nada
não querem ser incomodadas
querem apenas continuar levando a vida
as mudanças geralmente não são bem recebidas
porque o que a maioria procura é a tal estabilidade
no emprego
namoro
casamento
e nos relacionamentos
fecham as portas até dos pensamentos
para que eles não consigam cutucar
e dizer:
você é feliz?
quer só isso?
vai continuar vivendo a sua vida nessa lagoa parada?

será que o meu medo é o contrário deste
que não quer rotina
e por isso
não me deixa acalmar e aceitar o que a vida me dá?

eu falo
logo incomodo os acomodados
eu grito
e geralmente irrito as pessoas
eu questiono
e elas se afastam
por medo
incompreensão
covardia
ou simplesmente porque não estão a fim de ouvir
as "verdades" que eu quero falar
simples assim!

ultimamente tenho saído da brincadeira
como fez o Tico
estou deixando pra lá
embora a minha natureza
queira sempre lutar
para viver melhor
e ter um mundo mais humano
onde "um mais um é sempre mais que dois"

o carrinho da minha montanha russa
está tentando subir
mas sem forças
ele vai voltando devagar para a estaca zero...










surpresa boa eu tive esta manhã
quando me deparei com um recadinho
no meu post "o aceitar..."
e lá estava ele
Luiz Humberto Leite Lopes
fiquei contemplando aquele nome
sem entender direito
para tirar a minha dúvida
peguei meu precioso livro
e tive a certeza
sim era ele
o autor daquele que tem me ensinado
a viver e conviver comigo mesma...

Luiz Humberto
que sentimento bom eu tive ao receber a sua visita por aqui!
obrigada pelo carinho e volte sempre
pois com certeza será muito bem vindo!

ele me deixou um pensamento
que já li
reli
"trili"
"quatrili"...

"Ao tentar decifrar, Friedrich Nietzsche meu estômago se embrulha. Compreendo que ficaria para sempre preso, a uma existência cíclica a qual não haveria escapatória, poderia morrer mil vezes, que de nada adiantaria e assim meio que um desesperado discípulo começa a escrever, na tentativa de modificar uma vida já vivida e revivida."

por curiosidade fui ver a data de publicação do livro
2007
é... já se passaram 3 anos
e como deve estar a vida?
sem querer colocar um peso
você é minha esperança
de que dias melhores virão
e que eu ainda estarei viva
para aproveitá-los junto das pessoas que eu amo
"Uma viagem entre o céu e o inferno"
continua por aqui
e lhe sou muito grata por compartilhar
essas preciosas palavras
que estão me ajudando a me ver e tentar me aceitar
desse jeito céu e inferno que sou
e que o tempo continua sendo o melhor remédio da vida
para todos nós
ai ai viu ai ai...

que o bondoso Deus proteja nosso tempo
e que ele seja cheio de boas conquistas
hoje e sempre
AMEM.


...

3 comentários:

Luiz Humberto Leite Lopes disse...

Claudia,

Já que teve um sentimento bom tenho a liberdade de postar um texto:


Mangueira sem frutos



É madrugada, quase quatro horas. Nesta hora e época fica difícil acreditar em dias melhores por isso me posto de sentinela aguardando um final.

Uma imagem que vem ao meu pensamento é de uma velha mangueira que há muito tempo não dão mais frutos, mas continua persistentemente viva.

Um capricho da natureza, que ao seu bel prazer, mantém presos a Terra a inutilidade.

Crio palavras para entender, o que sempre me é muito difícil e me fazer compreender esta também é uma árdua tarefa. E ao interpretar uma palavra já existente, muitas vezes ela se apresenta impregnada de outros significados.

Faço um caminho inverso tentando ir cada vez para mais dentro de mim percorro fios inexistentes, atravesso percursos intransponíveis na busca incessante para conhecer e procurar a origem não da própria existência e sim a força matriz desta Energia Vital que coordena a existência de tudo que organiza este caos chamado de Vida, que estabelece o fim dela.

Fico quieto, por alguns minutos parei de digitar, fechei os olhos e tentei capturar a essência do pensamento. Vem uma brisa seguida de uma garoa, os pingos da chuva leve batem nas folhas da mangueira, ecoando tamborzinhos minúsculos, complementando o devaneio.

Assemelho-me a esta arvore me sinto-me morto e velho sem capacidade de gerar frutos, com minha existência sem sentido.

Talvez minha única utilidade seja deixar as letras baterem nas folhas dos meus dedos e ressoarem palavras. Esta eterna busca da Origem do Meio e do Fim, e tentar entender o incompressível, criar conjecturas concretas sobre o abstrato, dar sentido a devaneios, decifrar a alma, enxergar o infinito, tatear as estrelas, teorizar comportamentos. Tentar racionalizar a Energia Vital.





Um abraço, boa sorte





Luiz Humberto Leite Lopes

Beatriz disse...

Claudinha e Luiz Humberto
Vocês dois têm mais coisas em comum: a inquietude da madrugada. O que será que faz as pessoas não dormirem? Realmente não sei porque raramente eu tenho insônia. Mas se essa insônia resulta nestes belos textos que os dois produzem sob a bênção da lua (será o signo?)vou louvar esta inspiração notívaga. Um carinho aos dois Beatriz

Claudia Pompeu disse...

nossa beatriz...
tô aqui sem palavras
só sentindo a beleza de se ter uma amiga companheira e presente como vc...
obrigada minha querida, MUITO obrigada!

bjos cheios de carinho pra vc
claudinha