quarta-feira, 28 de março de 2012

colcha de retalhos



o movimento continua por aqui
com os assuntos tecendo uma bonita colcha de retalhos
onde os pontos estão sendo alinhavados com boas lembranças
e o encontro de pessoas queridas
que estão saboreando um chazinho gostoso
preparado com muito carinho por meus convidados e amigos :)

histórias...
recordações...
aromas...
paisagens...
uma linha do tempo que tem caminhado
livre, leve, solta
e que tem feito bem a muita gente  :)
.
estou realmente orgulhosa por ser dona deste espaço
e estar vivendo um momento cor-de-rosa e feliz
e no  "ôôôô de casa" de hoje
quem chegou para um chazinho e um dedo de prosa foi a Lalu :)
.
pode se chegar
pois a mesa já está posta!
.
beijos
claudinha
.


 c a r t ã o  p o s t a l
                              Lalu Farias

O “Chá das Cinco” oferecido pelo Edo me fez pensar não só no valor que as cartas escritas a mão têm para nós, que já nos comunicamos muito dessa forma, mas também no simbolismo que elas trazem para quem já nasceu na era da internet.
.
O post do Edo começa com a pergunta feita pela filha de uma amiga: “Mamãe, você já
escreveu alguma carta feita a mão?”. Lembrei então da viagem que fiz aos Estados Unidos no fim do ano passado. Poucos dias antes de sair de férias, uma amiga me disse: “A Carol anda reclamando que nunca recebeu uma carta de verdade, pelo correio. Cismou com isso agora...”. Não tive dúvida, peguei o endereço completo – sem esquecer do CEP – e disse que cuidaria disso.

.
Bem, como o objetivo era a carta chegar pelo correio, achei que o selo seria importante e
comecei a pensar de onde enviaria a carta. Optei por Nova York, porque sei que a Carol anda doida para conhecer a cidade. Escolhi um cartão com uma foto bem bonita, comprei o selo e, como essa coisa de escrever carta é antiquada em qualquer lugar e deve ser ainda mais ultrapassada em Nova York, não achei nenhuma caixa de correio para jogá-la. A alternativa então foi deixar na recepção do hotel e pedir para que eles enviassem.

.
Começou aí a minha aventura, relembrando os tempos em que trocava cartas com amigos.
Nova York foi a última parada da minha viagem e entreguei a carta no hotel na véspera da
minha volta. Não via a hora de a carta ser entregue e saber a reação da Carol. Várias vezes perguntei à minha amiga: “E a carta da Carol, já chegou?”, mas a resposta era sempre não. Desisti disso, imaginando que o hotel não tinha colocado o cartão no correio. Deixei pra lá, meio decepcionada, porque não havia nada que pudesse fazer.

.
Até que um dia fui à casa da minha amiga e vi o cartão ao lado da televisão:
.
- Chegou?
.
- Pois é, esqueci de te dizer...
.
- E o que a Carol achou?
.
- Pode perguntar direto pra ela. Ela está aí. Caroooool...
.
- E aí, Carol? Gostou do cartão? E a foto? Lembrei de você em Nova York e achei que você ia gostar de receber um cartão. Sua mãe disse que você nunca tinha recebido uma carta pelo correio, né? O que você achou? – disparei, curiosa.
.
- Gostei, mas continuo sem ter recebido uma carta pelo correio. Isso é um cartão e o que eu queria era uma carta de verdade, com envelope – respondeu, sem muito entusiasmo.
É, pelo jeito, receber carta pelo correio ainda tem seu charme, mas é bom que os pais, mães, tios e tias de plantão saibam: tem que ter envelope. Bem, pelo menos eu revivi o suspense de esperar uma carta, às vezes imaginando que ela não vai chegar mais, e ficar toda alegre ao vê-la finalmente entregue...



............

7 comentários:

Lalu disse...

Claudinha, você está criando um monstro... Daqui a pouco os amigos tomam conta do blog e vc vai ter que ficar mendigando um espacinho... :-)

Claudia Oliveira disse...

lalu lalu...
quem me dera que os monstros fossem assim :)

fiquei aqui pensando e vc já é de casa! bonito isso... gostei! :)

bjos
claudinha

Bel disse...

Muito bom lalu!!!!! Adorei

Mary disse...

Oi Claudinha, concordo com a Lalu. Se o povo empolga.... você está perdida!
Adorei a história, Lalu. Entendo a Carol. Mas um dia ela vai nos entender. É tão bom receber cartão quando os amigos viajam. Significa que você é tão especial que mereceu um pouquinho do tempo do amigo no meio de uma viagem (que normalmente é super corrida por falta de tempo). Adoro!!!!
Beijos

Claudia Oliveira disse...

eu também adoro receber postais!
quem vai viajar e pode realizar esse mimo pra gente, hein?! :)

vou tentar achar o post onde mostrei vários postais do fundo do bau que recebi de amigos e que estão guardadinhos há séculos amém! rs

bjos pra vcs
claudinha

marcela disse...

Tb adoro receber postais de amigos q estão viajando...hoje no mundo virtual poucos fazem isso! Para, comprar, escrever e enviar...isso é um ato de afeto delicioso.
Bjos adorei seu blog

Mary disse...

"ato de afeto delicioso"

Adorei. Lindo e sonoro!!!